quarta-feira, 16 de fevereiro de 2011

Desembaçador

Chove forte, enfim
Poças d'águas
Ruas alagadas

Vagar, vagar
E numa vaga noite
Ele estava por aí

Até caírem os primeiros pingos
A gota que apagou seu baseado
O gole parado no gargalo

E debaixo do velho toldo
Ele espera...

Só mais uma garrafa
Só mais um trago
O que sabe a chuva?

Quantas tempestades ele traz
Fora de si...

Vomita aquilo tudo
Engasgado com tanta sujeira
Carros passam limpando vidros

E ele, fora de si
Cai ao chão
Consegue somente rir

Imagina-se carro
Seus vidros não estão quebrados
Ele quer apenas enxergar...

Nenhum comentário:

Postar um comentário