domingo, 11 de março de 2012

A decepção em cartaz

Ao visitar a querida Caxambu (MG) neste final de semana, tive uma desagradável surpresa. O tradicional cinema da cidade está com as portas fechadas, o que é realmente uma perda e tanto, seja pela arquitetura admirável ou pela própria cultura em si, um oportunidade dos caxambuenses de terem acesso à sétima arte.

Lembrei de duas ocasiões em que estive com Fernando Costa, proprietário também de cinemas em Juiz de Fora e Pouso Alegre, ambas em Minas Gerais. A primeira, em 2008, quando o entrevistei para uma reportagem veiculada na universidade. A última delas, em dezembro de 2011, em um breve bate papo em Pouso Alegre. Nos dois encontros, Fernando se revelou um cinéfilo convicto e empolgante. A paixão demonstrada de forma sutil constratava com a frustração em não receber incentivos para dar continuidade à sua empreitada na cidade turística.

Desde 2008, Fernando dizia que o dinheiro arrecadado com a venda de ingressos não supria os gastos, e que foi necessário retirar verbas dos outros cinemas para cobrir as despesas do Cine Caxambu. Pelo visto, não foi suficiente, entre outras coisas pelo descaso público com esse verdadeiro patrimônio cultural.

O Cine Caxambu não possui nenhum vínculo com empresas e não recebe apoio público, as únicas formas de estabilizar financeiramente e investir no resgate da história do cinema, que possui uma obra arquitetônica de 50 anos e chama atenção pelos traços clássicos. Por isso, uma saída agora será usá-lo em eventos fechados, como formaturas e casamentos. Espero que o fechamento não seja definitivo e que quando eu voltar a Caxambu, possa desfrutar desse patrimônio. Boa sorte ao Fernando e aos demais promotores da cultura na cidade.


* Fernando Costa, mais que um empresário, um cinéfilo e promotor da cultura em Minas Gerais